Zona Obscura - Quadragésimo quarto

13:39:00 0

44 - Ida Ao Médico

  No hospital passavam-se as horas mais calmas do dia. O pouco tempo que tinham para descansar concretizava-se agora.
  Incubo terminava a ronda. Com tudo o que estava a acontecer já ninguém marcava consultas o que se traduzia numa baixa significativa de pacientes, resumindo falta de sexo. E isso deixava o médico bastante mal-humorado.
  As enfermeiras tentavam, em vão, acalmá-lo. Não era como se elas não o pudessem satisfazer era só que estava cansado de olhar para aquelas mulheres. Só de avistar um daqueles uniformes ganhava logo enxaquecas.

  O silêncio presente no seu consultório não estava a ajudar. Era como se ouvisse o tic tac do ponteiro do relógio em alto som e em câmara lenta a ecoar dentro do seu crânio. Se continuasse assim teria de voltar a entupir-se de comprimidos. Já perdera a conta das carteiras de medicamentos vazias que andava a jogar no lixo nos últimos dias.
  O aroma a café enchia o cómodo. Sabia que devia descansar mas não conseguia relaxar. E se era para estar exaltado mais valia beber café, pior não ficaria.
  Um barulho na janela chama a sua atenção. Parecia o som de quando um pássaro batia no vidro mas mais alto.
  Por momentos não se ouve nada, o médico volta a sua atenção novamente para o café fumegante na caneca em sua mão.
  Ouve-se algumas batidas outra vez. Agora tinha a certeza de que estava qualquer coisa na varanda. Pegando num bisturi o homem encaminha-se silenciosamente até à janela.
  - Baixa isso e abre a porra da janela.
  A voz feminina assusta-o. Será que a Deusa do Sexo viera visitá-lo?
  Uma pistola entra no seu campo de visão apontada à sua cabeça.
  "Não me parece que seja uma Deusa."
  A janela é aberta. Um corpo cai automaticamente nos braços de Incubo.
  - Informadora?!
  - Não, sou a tua mãe. - Responde Sam irónica.
  - Como é que vieste ter aqui? Isto é o 3º andar.
  - Podes deixar-te de perguntas estúpidas e ires ao que interessa? - A mulher começa a tirar as calças.
  Aquilo não parecia bom. Incubo estava instável e fraco e uma frase daquelas com tantos significados implícitos quebrava qualquer raciocínio que o impedisse de fazer uma loucura.
  Ao ver os olhos opacos do médico, com a respiração acelerada e sem sair do sitio, a Informadora percebeu logo o que se passava. Com um movimento repentino ela dá-lhe um estalo.
  - Concentra-te Incubo!
  O homem parece voltar a si. Para além de Sam estar semi-nua ainda conseguiu focar-se na mancha vermelha que ocupava quase toda a coxa dela. Algo como uma seta, já partida de um lado, estava lá alojada.
  - Isso parece muito mal.
  - Se eu quisesse esse tipo de opinião perguntava a alguém na rua.
  Realmente a mulher não estava nos seus dias. Pelo que ouvira ela andava desaparecida. Aparecer assim de repente e ferida, com certeza acontecera alguma coisa.
  Calçando umas luvas de látex o médico senta-se numa cadeira em frente dela e começa a examinar o ferimento.
  - Nem vou perguntar o que aconteceu para teres uma seta espetada numa perna.
  - Andei a brincar com o Robin dos Bosques. - O riso sarcástico de Sam desaparece com um gemido de dor quando Incubo arranca o resto do objeto da carne.
  Tratamento feito, o homem acabava de enrolar a última ligadura e passava as mãos nervosamente pela pele da Informadora. Falta de sexo era mesmo complexo para um ninfomaníaco.
   Sam repara nos tremores do médico enquanto terminava o trabalho. As mãos, por vezes, subindo mais que o necessário.
  - Vê lá onde pões as mãos.
  Incubo responde com um sorriso nervoso.
  - Se ficares excitado mato-te.
  - Acabei. - Ele solta um suspiro aliviado. - Devias repousar mas suponho que não valha a pena dizer isso.
  - Vou esforçar-me para não piorar isto.
  - Quanto ao pagamento... - Um sorriso malicioso nasce nos lábios de Incubo.
  - És mesmo um tarado. Como é que consegues pedir algo assim a uma pessoa ferida?
  - Eu também estou ferido.
  - Só se for do cérebro.
  - Que cruel...
  Sam olha-o divertida. Aproximando-se dele tira-lhe a bata e veste-a. As calças não davam para voltar a vestir e não podia sair dali em roupa interior.
  Com um sorriso maldoso a Informadora dá-lhe um beijo na face e vira-se para ir embora.
  - Adeus Incubo.
  O homem fica ali, estático, vendo aquela mulher sair do seu consultório como se nada tivesse acontecido.
  - Como é que ela teve coragem de me deixar assim e ir-se embora? O que é que eu faço com isto agora? Estou pior do que no inicio!

0 Comentários de "Zona Obscura - Quadragésimo quarto"